domingo, 26 de dezembro de 2010

O Sopro


sopra da maçã
do meu rosto
o teu vão esboço

aroma terçã
num chão
disperso
de terra nua 

do teu jardim
carmim
eu me despeço
sem jura


(Cris de Souza)

17 comentários:

  1. 'eu me despeço/sem jura'... assim há a possibilidade da volta, acho!
    Bj*

    ResponderExcluir
  2. Volátil sentimento... um lufar perfumado da vida...
    Cris, foi um prazer conhecer-te este ano e espero que siguemos juntas por muito tempo.
    Um 2011 pleno de realizações que te façam muito feliz.

    ResponderExcluir
  3. Cris,

    aqui o vento tem um sabor morno que me enfeitiça.

    bj

    ResponderExcluir
  4. Sopro vindo de um breve entardecer no jardim oculto das Hespérides. Fala admiravelmente a todos os sentidos!

    Beijo.

    ResponderExcluir
  5. Que lindos versos, Cris, plenos de sonoridades que muito me encantam. Tens razão, poetisa, não convém jurar não...

    Minha admiração de sempre.

    André

    ResponderExcluir
  6. Que belo despojar-se Criz, a poesia faz morada certa em ti, e por isso vou seguir teu blog, para vir ver sempre as novidades... Feliz ano novo, abraços.

    ResponderExcluir
  7. A sua poesia nos despe, assim, delicadamente e sem pudor.

    Beijo, linda!

    ResponderExcluir
  8. Cris,

    condição femenina?
    não me parece
    da paixão nasceu o mundo
    no mundo nasceu o amor
    do amor a liberdade
    bom, eu só digo asneiras como é costume
    mas tu escreves sóbrio e belo


    bj

    ResponderExcluir
  9. Eita, soprou aqui... Bem nos meus olhos.
    Que coisa linda, minha flor!!!

    Beijinhos...

    ResponderExcluir
  10. Lindo e Fascinante! Feliz Ano Novo!

    Tatuagem

    ResponderExcluir
  11. Eita coisa boa! :)
    Nada mais gostoso do que bailar ao som do teu lirismo! Amo o teu poetar!

    Que o seu ano de 2011 seja pura poesia! ;)

    Beijo, Flor!

    ResponderExcluir
  12. *
    Amiga
    ,
    que as vagas de 2011,
    te tragam um mar de saúde e
    marés de coisas boas (se possível)
    ,
    conchinhas de amizade,
    ,
    *

    ResponderExcluir
  13. Oi, boa noite-madrugada!!
    Que doces sons, Cris! Amo esse seu descompromisso, essa liberdade poética. Aqui, eu jurava, embora você se despeça sem jura, que havia mais uma estrofe, um terceto, terminado em “tua”. Mais aí, lembrei do primeiro terceto e soprei meu vão esboço...
    Beijo carinhoso
    Lello

    ResponderExcluir

Viajai-vos!