segunda-feira, 9 de julho de 2012

Quatro poeminhas de bolso

(Rene Magritte)


Indicação

Poeta bom pra tosse
É aquele que torce
Contra o leitor-xarope


O troco é teu

Meto a língua
Onde não devo
E calo pra ler!


Cera

Mas que raios!
Um papagaio
Assovia em meus ouvidos:

Não seja repetitivo!
Não seja repetitivo!
Não seja repetitivo! 


Encarnação 

Quando a inspiração
Se esconde no porão
É pra encarnar assombração?


(Cris de Souza)


* Conversando sobre os sentidos da voz com Cris de Souza, para ouvir clique AQUI.

16 comentários:

  1. pérolas de bolso.!... belos. beijo.

    ResponderExcluir
  2. Gostando das pílulas poéeticas leminskianas.

    ResponderExcluir
  3. Bolso cheio!!

    Beijinho cafona, cristigresesfinge!

    ResponderExcluir
  4. Num é que me deixa de orelha em pé! Se eu ri, imagino que você gargalhou... Beijo, poetisa do barulho!

    ResponderExcluir
  5. hum, never more, never more cantaria
    nesta ária do dia a dia,
    sai fora papagaio deixa-me a cotovia,

    beijo

    ResponderExcluir
  6. quanto bom humor :)
    Gostei!
    Gosto de rir com palavras.
    beijoss

    ResponderExcluir
  7. um poema teu/ assusta a idade/ dançam as rugas/ rejuvenecem

    tão bom te ler

    beijo grande

    ResponderExcluir
  8. Que bolso poético!
    Com certeza tirarei do bolso alguma dessas daqui para frente.

    abraços!

    ResponderExcluir
  9. não há bolsos que cheguem para eles

    beijinho

    ResponderExcluir
  10. Todos bons. Não vou assinar em baixo do primeiro por não concordar, mas ótima construção.

    ResponderExcluir
  11. Uma graça! A começar pelo título...delicadíssimo!
    Bjinhos, Crislinda!

    ResponderExcluir
  12. de bolso? diria antes de mesa de cabeceira :)

    beijos, cris!

    ResponderExcluir

Viajai-vos!