quinta-feira, 17 de março de 2011

Prática


a despeito do cerco
dos fantasmas em sentinela
pro receio não faço sala
ao soprar as velas
por toda casa amarela

(Cris de Souza)

25 comentários:

  1. Um ser com luz própria
    que sem receio se revela,
    pode apagar, à meia-noite
    ou com o dia pelo meio,
    a chama inútil das velas.

    Beijo, Cris.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pra você...

    Viva quem se vale da vela...

    Bjs Incendiários

    ResponderExcluir
  3. Não vejo fantasmas...
    Pensamento bem arquitetado.

    ResponderExcluir
  4. hum q lindo conheça tbm minhas poesias

    http://sandrinhopoeta.blogspot.com/

    um abraço!

    ResponderExcluir
  5. Gosto dos desfecho dos teus poemas. E vem palavras fortes, onde tudo se completa.
    Por isso, estou aqui!

    ResponderExcluir
  6. Vejo palavras em sentimentos velando letras,

    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Que beleza Cris, saudade demais de ler suas liras!
    Lindo, lindo!
    beijosdamariluz*rs

    ResponderExcluir
  8. Soprar as velas é apagar a sentinela dos fantasmas. Ou seria o contrário?

    Sempre instigantes os teus versos, minha amiga Cris, parabéns!

    Um beijo e bom fim de semana.

    André

    ResponderExcluir
  9. O amor é a sabedoria dos loucos e a loucura dos sábios.

    ResponderExcluir
  10. Quanto mais sopramos as velas, mais longe o vento fosco irá pairar...

    Linda poesia Cris

    Abraços mil e ótima semana pra ti

    ResponderExcluir
  11. Ei, querida Cris,
    moça, que ótimo!
    fazer sala pra fantasma, depende muito do fantasma, :)
    beijos, linda!

    ResponderExcluir
  12. Minha querida Cris, saudades!
    Muita chuva aí?
    Aqui chove chove...
    E eu vim aqui ler você.
    sempre bom lê-la!
    Com carinho
    Fátima

    ResponderExcluir
  13. Cris,


    Simplesmente belo esse
    seu Haikai.


    Bjo.

    ResponderExcluir
  14. E vai-se gingando. Bailando. Em um compasso,que se chama vida.

    BeijooO*

    ResponderExcluir
  15. Quem não faz sala para os receios é ótima companhia nas noites escuras.

    bj
    Rossana

    ResponderExcluir
  16. sopra, querida amiga. deste lado, nós aplaudimos.
    um beijo de aniversário (um tanto atrasado).

    ResponderExcluir
  17. Minha querida, saudades de ti e do teu poetar! Adoro seus poemas... são pérolas nesse grande mar.

    Beijos meus... :)

    ResponderExcluir
  18. "ao soprar as velas
    por toda casa amarela",
    me lanças ao destemor da escuridão de mim, às severas mas risonhas tempestades de todos os mares.

    ResponderExcluir
  19. Que os fantasmas encontrem ao menos um chá de melissa nessa casa amarelada pelo tempo.

    ResponderExcluir
  20. Oi amiga...qta poesia...parabéns...vim até aqui conhecer este kantoinho poético atraves de blog amigo....convido para conhecer o meu...tem outro estilo espero que gostes de minha casa....ofereço o Award do blog que está na sala presentes oferecidos...convido você para conhecer o Ostra-da-poesia de uma amiga muito querida ....neste blog estou partcipando com o poema MINHA PÉROLA,é a SEXTA poesia,preciso de comentários,se quiseres deixar seu carinho lá ficarei muito grata...
    Este é o link:http://ostra-da-poesia.blogspot.com/
    Muito obrigada!!!

    ResponderExcluir
  21. "pro receio não faço sala"

    será que há esse alguém que faça?

    ResponderExcluir

Viajai-vos!