quarta-feira, 28 de março de 2012

Poemas de correr o risco

(Foto: Cris de Souza/ Sei de Cór)



Infundável

entre nós
o eu lírico
não afunda

refunda sim
os sete mares

por dois pares
de asas juntas!



Guarda
(sem licença poética)

a cada verso
uma rota

a cada rota
uma rima

na escolta




Pode ser senha

um ai
a mais

sobre
os sais

dobre
o silêncio
sem cais          



Respingos de cabeceira 


ave!
o poeta
a ver navios:

majestoso
mar 
de se caber

maltrapilho
rio
de se conter


(Cris de Souza)

16 comentários:

  1. O único risco aqui é o de se atingir a perfeição de um estilo.

    A rima escolta o verso por pura atração.

    Respingos de Cabeceira é maravilhoso, sobre os caminhos da imaginação com essa bela oposição entre ocupar os limites do mar e estreitar-se num rio pouco caudaloso.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  2. Ia falar dos respingos,Cris, mas a palavra-navalha do Marco já cortou tudo em fatias finíssimas, invertendo a mão do mar e as marés do rio.

    Não direi nada. Dobrarei meu silêncio, à deriva na imensidão da ausência de cais.

    Beijão

    ResponderExcluir
  3. Instigantes é o minimo a se dizer, comentar depois dessas duas feras não é nada facil, mas posso dizer que respinguei-me todo, perfeito. Um beijo, senhora.

    ResponderExcluir
  4. Cris, tuas rimas são um absurdo :)

    eu adorei todos, sobretudo Infundável e Respingos de Cabeceira, que é perfeito!

    beijos

    ResponderExcluir
  5. Respingos de cabeceira: viajei!

    Beijos, poeta maquinista!

    ResponderExcluir
  6. guarda a senha na infindável palavra arisca, ave poeta que se arrisca,



    beijosssssssss

    ResponderExcluir
  7. respingos de gotas de mar no mar da gota

    beijos

    ResponderExcluir
  8. só na escolta
    a licença poética
    refém de assalto...
    assis(to) a cena
    um ai a mais
    arisca
    petisca
    rima
    e
    respinga!!!

    Cris de Souza...beijos verdinhos prá ti!!!

    ResponderExcluir
  9. Belos poemas, minha cara!

    maltrapilho
    rio
    de se conter

    ResponderExcluir
  10. Gosto muito do jeito como você faz poemas, Cris, gosto mesmo.

    Beijo beijo.

    ResponderExcluir
  11. esse requebro das tuas rimas
    é um marzão de rios e de cais

    profundamente diáfanas
    as suas águas
    ...


    beijo carinhoso,
    Crisântemo.

    ResponderExcluir
  12. perfeição na voz...
    e na pele
    a reação,
    incontidos
    arrepios!

    Beijinho com admiração extrema, Cris poeta!

    ResponderExcluir
  13. guarda entre os nós a senha-sanha com que escolta mares, suas marés e todos os seus ousados marinheiros.

    verdadeira máquina lírica é o que és, cris de todas as inpirações! não há mundo que a tua palavra não alague.

    beijo grande!

    ResponderExcluir
  14. Caro(a) amigo(a),

    Dê-nos, por gentileza, o prazer de sua presença na coluna Haicais de Domingo(http://poetasdemarte.blogspot.com.br/2012/04/salada-de-haicais.html). A entrevista desse domingo é com Ceyson Gomes.

    Muita Paz!

    ResponderExcluir
  15. Saudações quem aqui posta e quem aqui visita.
    É uma mensagem “ctrl V + ctrl C”, mas a causa é nobre.
    Trata-se da divulgação de um serviço de prestação editorial independente e distribuição de e-books de poesia & afins. Para saber mais, visitem o sítio do projeto.

    CASTANHA MECÂNICA - http://castanhamecanica.wordpress.com/

    Que toda poesia seja livre!
    Fred Caju

    ResponderExcluir
  16. Saudações quem aqui posta e quem aqui visita.
    É uma mensagem “ctrl V + ctrl C”, mas a causa é nobre.
    Trata-se da divulgação de um serviço de prestação editorial independente e distribuição de e-books de poesia & afins. Para saber mais, visitem o sítio do projeto.

    CASTANHA MECÂNICA - http://castanhamecanica.wordpress.com/

    Que toda poesia seja livre!
    Fred Caju

    ResponderExcluir

Viajai-vos!