domingo, 23 de janeiro de 2011

A ninfa e o sátiro


(alexandre cabanel, ninfa e sátiro/1860)



folhados a mel
sorriem aos céus
os seios flecheiros
da ninfa
floreados no alvo
das mãos famintas
no auge das tintas
de sátiro à gosto


(Cris de Souza)

26 comentários:

  1. Mel e mãos famintas.

    Associação livre de cinéfila: Olhos famintos.

    ResponderExcluir
  2. imagem fantástica,
    seios flecheiros,
    é de ficar a escorrer

    ResponderExcluir
  3. Folhados a mel, é!? Onde é que se pode encontrar essas ninfas, amiga?

    Beijos

    Runa

    ResponderExcluir
  4. Uau, Cris! versos com seios flecheiros são versos pontiagudos, certeiros!

    Gostei. Parabéns, poetisa!

    Um beijo, boa semana.

    André

    ResponderExcluir
  5. Minha cara Cris, seus poemas são tão embebidos em mel e simplicidade que me encantaram à primeira vista. Espero poder subir aos céus junto deles.
    Adorei o blog e adorei os textos!
    Quando tiver um tempo, dê uma passada no “Que letra é”, pois ficaria muito honrado pela sua visita. Se gostar, siga-nos!
    http://queletra.blogspot.com/
    Parabéns pelo trabalho e estou te seguindo!
    Atenciosamente. Adriano MB.

    ResponderExcluir
  6. a esta hora, os deuses ainda perseguem o favo maior da tua poesia que lhes rouba todo o protagonismo. e justamente.
    beijos e mel em taça do mais fino cris.tal!

    ResponderExcluir
  7. Que maravilha, Cris! Vc brinca com as palavras de uma forma que faz parecer fácil, mas só com muita destreza para sair versos tão ritmados assim.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  8. Toda ninfa deseja um sátiro para ensinar-lhe .

    Elas vivem de mel e de fel, e só assim se aprende a arte de amar.

    Linda poesia Cris

    Abraços e que tua semana seja linda.

    ResponderExcluir
  9. Como diz a Lara, parece ser fácil.
    Muito bem construido.
    Deixa gosto de quero mais.

    Beijo, Cris

    ResponderExcluir
  10. Cris,

    As tuas metáforas são diamante!

    Que mais dizer, quando fico extática diante dos teus poemas...

    bj

    ResponderExcluir
  11. Fúria e doçura pagãs.

    http://www.youtube.com/watch?v=vvmxsWEN4xw&feature=related

    Beijo.

    ResponderExcluir
  12. Consegue propor uma possibilidade de leitura muito agradável.

    BeijooO*

    ResponderExcluir
  13. Cris, tua visita sempre encanta a minha Esferografia, brigada sempre minha querida.

    Um lindo dia pra você.

    ResponderExcluir
  14. vejo que teu verso anda em forma, dançam os versos nos olhos :)

    beijos

    ResponderExcluir
  15. Lambuzei-me deste mel... ;)
    Minha querida, vc é demais!

    Beijos :)

    ResponderExcluir
  16. muito doce...o desejo da ninfa...

    Beijo

    ResponderExcluir
  17. Depois que vi os seus olhos tão bem amanhecidos no poema da radioativa Adriana, tratei de vir correndo aqui para conhecê-los "ao vivo". Na foto já dizem muito, mas é nos seus olhares, como neste aqui, que eles traduzem toda a transcedência com a qual a nossa Pólen fecundou porimaveras inteiras.

    Beijos

    P.S.: Na verdade, já tinha visto os seus olhos algumas vezes por aí, em espaços de comentários. Não só no blog da Adriana como talvez no da Zélia, no do Marcantonio, no da Lua Nova, no da Valéria Sorohan... enfim, o "por aí" da corja boa é vasto.

    ResponderExcluir
  18. Ótimo poema! Beijos alados para ti.

    ResponderExcluir
  19. Que metáfora linda essa que nos descreve os seios empinados da ninfa "sorrindo aos céus", lindo, flechas que acertam certeiras o homem. Parabéns.

    ResponderExcluir
  20. Esse eu simplesmente AMO!

    Água na boca...

    ResponderExcluir

Viajai-vos!